É melhor ir vendendo milho: ENTENDA

No mercado físico as cotações acompanharam o recuo do mercado futuro

 

De acordo com a equipe de analistas de mercado da Consultoria TF Agroeconômica, “há mais fatores de baixa e com mais peso do que de alta” presentes neste momento no mercado. “Isto só vem confirmar nossa recomendação, feita na semana passada, de que os detentores de milho deveriam começar a vender aos poucos, aproveitando os preços que ainda não tinha caído”, dizem os especialistas.



Na B3 as cotações para julho recuaram 7,87 por cento ou R$ 8,18/saca, de R$ 92,16/saca no final da semana anterior, para R$ 83,98/saca nesta semana. “No mercado físico as cotações acompanharam o recuo do mercado futuro. Se os preços voltarão a subir vai depender dos números finais da Safrinha brasileira, que está apenas começando a ser colhida”, analisa a Consultoria TF Agroeconômica.


Com relação às tendências da demanda, apontam os analistas de mercado, os preços das carnes tiveram novamente comportamento misto: “Isso ocorre depois de grande sequencia de altas, com o preço do frango recuando, enquanto o boi e o suíno voltando a subir”. Confira quais são os fatores de alta e baixa no radar dos especialistas da TF:


FATORES DE ALTA


*Menor disponibilidade a médio prazo, diante da seca deste ano, no Brasil *Com queda nos preços, Tradings não devem fazer wash-out de milho, não aumentando a disponibilidade interna


FATORES DE BAIXA


*Menor uso de etanol nos EUA, determinado pelo novo governo, deve pressionar Chicago *Previsão de chuvas nos EUA pode aumentar a oferta *Queda do dólar no Brasil pode desestimular exportações e aumentar disponibilidade interna *Início da colheita da Safrinha poderá pressionar os preços internos


Fonte: https://www.agrolink.com.br

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo